Categoria Vida Reflexões para uma Nova Biologia

Mais Imagens

Categoria Vida Reflexões para uma Nova Biologia
R$36,00

Disponível: Disponível

Autor: Dina Czeresnia
Editora: Unesp
ISBN: 978-85-7541-234-3
Ano de publicação: 
Nº. de páginas: 
Idioma: Português
Gênero: Ciências Biológicas
Subgênero: Geral

Descrição

Detalhes

Sinopse
 

“A biologia tem hoje importância central na discussão sobre os principais desafios da ciência contemporânea”. Extraída do livro Categoria Vida: reflexões para uma nova biologia, esta frase pode, à primeira vista, causar a impressão de que a autora, a pesquisadora Dina Czeresnia, defende uma espécie de supremacia da biologia sobre as demais ciências e formas de conhecimento. Impressão que se revela equivocada desde as primeiras páginas do livro, lançamento das Editoras Unesp e Fiocruz. O objetivo de Dina é justamente o contrário: por meio de uma rica argumentação baseada em autores como Canguilhem, Foucault e Nietzsche, ela demonstra a necessidade de uma articulação de saberes e de um diálogo entre biologia, física, filosofia e outras especialidades. E, se a biologia tem um papel central nesse processo, não é porque ela é uma ciência, mas porque ela estuda a vida, interesse comum em torno do qual todas as formas de conhecimento devem se articular.

“O conhecimento sobre a vida deve ser assumido como eixo de transformações da relação do homem com o conhecimento”, destaca a autora, que é professora da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz). “De acordo com Dina, uma transformação na maneira de conceber o homem em relação ao universo necessitaria de um novo modo de compreender o homem. A biologia seria o eixo central, a plataforma, o molde e o trampolim dessa transformação, não como disciplina científica, mas por ser a vida a pergunta essencial e a base da possibilidade de o homem conhecer e explicar, inclusive a sua própria existência”, comenta o pesquisador Cláudio Tadeu Daniel-Ribeiro, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que assina o prefácio do livro.

As transformações da relação do homem com o conhecimento são o fio condutor da obra, uma coletânea de artigos que reúne as inquietações e reflexões de Dina sobre conceitos do campo da medicina, da saúde pública e da epidemiologia. No primeiro capítulo, a autora discute a sociedade do risco e analisa mais detidamente o conceito de risco epidemiológico. A autora parte da constatação de que, na sociedade contemporânea, o conhecimento científico tem sido usado para calcular riscos e orientar escolhas, especialmente no campo da saúde pública, o que produz consequências culturais ligadas a questões como individualidade, alteridade e relação com a morte. O segundo capítulo retoma essas questões ao discutir como a concepção moderna de doença biológica está dissociada das dimensões psíquicas e sociais. Um aspecto dessa dissociação diz respeito a uma redução que encobre as relações em movimento que constituem a corporeidade, inclusive a orgânica. Em relação a esse aspecto Dina avalia que achados recentes da biologia molecular sinalizam novas possibilidades de elaboração conceitual.

Como uma proposta de superação do modelo biológico reducionista, a autora, no capítulo três, recupera a filosofia pré-socrática, o conceito de physis e o pensamento hipocrático. “Revaloriza-se o resgate de um saber contemplativo, que não se baseia na separação e na fragmentação do conhecimento. Retoma-se como valor uma concepção de natureza que não se dissocie da construção humana. Questionam-se as dualidades como corpo e alma, razão e emoção, sujeito e objeto, natureza e cultura”, resume. No quinto capítulo, Dina novamente problematiza a dualidade corpo-mente, mas antes, no capítulo quatro, ela comenta o caráter filosófico das ciências da vida na obra de Canguilhem.

“É flagrante a admiração de Dina por Georges Canguilhem, filósofo e médico francês que defende ser preciso partir do próprio ser vivo para compreender a vida e que o objeto de estudo da biologia é irredutível à análise e à decomposição lógico-matemática”, assinala Cláudio Tadeu. “Sou obrigado a concordar com Dina sobre a necessidade da ‘articulação de saberes’ e, sobretudo, da de profissionais preparados para fazê-la. Um profissional capaz de ‘ler’ informações da física à biologia, da filosofia à psicanálise, tem mais chances de enxergar conexões onde elas ainda não foram vistas”, acrescenta ele. E é exatamente isso o que o livroCategoria Vida oferece ao leitor: um convite para buscar articulação e conexões.

 

Sumário

 

·         Capítulo 1 – Ciência, técnica e cultura: o conhecimento de risco epideológico – 09

·         Capítulo 2 – Interfaces do corpo: integração da alteridade no conceito de doença – 27

·         Capítulo 3 – Constituição epidêmica, physis e conhecimento epidemiológico moderno – 45

·         Capítulo 4 – Canguilhem e o caráter filosófico das ciências da vida – 175

·         Capítulo 5 – Normatividade vital e dualidade corpo-mente – 89

·         Capítulo 6 – Para concluir – 111

 

134 Páginas. Tamanho 15 X 22 cm. Editora Unesp, 2012.

ISBN: 978-85-7541-234-3 Editora Unesp

ISBN: 978-85-393-0240-6 NEAD

Comentários

Tags do Produto

Tags adicionadas por outros clientes:

Use espaços para separar as tags. E aspas simples (') para frases.