Tabelas para Codornas Japonesas e Europeias

R$40,00

Autores: José Humberto Vilar da Silva
Editora: Funep
ISBN:
Assunto: Livros
Idioma: Português
Data de Lançamento: 2009
Número de Páginas: 107
Tamanho: 16×22
Edição: 1ª

68 em estoque

REF: 0001#SEP#0700500034#SEP#U Categorias: , ,

Descrição

O Brasil é o quinto maior produtor mundial de carne de codorna e o segundo de ovo, De 2005 a 2006, o alojamento cresceu 12,5% nas diversas regiões do país, fato coincidente com o surgimento das grandes criações automatizadas e novas formas de comercialização do ovo e da carcaça de codornas. A criação comercial de codornas teve início, em 1989, quando uma grande empresa avícola brasileira resolveu implantar o primeiro criatório no Sul do Brasil e, recentemente, as primeiras exportações de carcaças congeladas de codornas foram realizadas. Nem sempre essas aves foram criadas para produzir carne e ovos. No início, eram usadas em pesquisas biológicas e medicinais, especialmente em estudos de embriologia, porque elas podiam ser mantidas em grande número ocupando pequeno espaço. O uso da codorna como animal de laboratório produziu as informações técnicas básicas que deram início à moderna criação comercial de codornas (Woodard, 1973, citado por Minvielle, 2004) O próximo passo é o seu uso em pesquisas espaciais, notavelmente em projetos que visem à construção de bases permanentes na Lua e Marte, anunciadas no início de 2004, pela China e EUA (Minvielle, 2004). Geograficamente, as codornas criadas comercialmente têm duas origens: asiática (Coturnixcoturnixjaponica), conhecidas como japonesas, de porte pequeno e alta produção de ovos; e europeia (Coturnix coturnix coturnlx), que são aves de porte maior, produtoras de ovos mais pesados que os produzidos pelas japonesas O ovo e a carne de codorna apresentam qualidade nutricional para o consumo humano semelhante ao ovo e à carne de galinha e frango. Ele tem até 12 % mais proteína que o ovo de galinha (varia conforme a fonte consultada), enquanto a carne tem 1 % a mais de proteína que a carne de frango. O colesterol do ovo de codorna é mais baixo que o colesterol do ovo de galinha, mas é semelhante na carcaça de codorna e de frango. Pouco ainda se conhece sobre a história, a qualidade da carne e do ovo, os sistemas de produção e o nível atual do melhoramento genético de codornas para corte e postura. O Capítulo Tópicos especiais na criação de codornas abre este livro-tabela, discutindo os temas mais atuais na cotornicultura, com o objetivo de estimular a leitura do livro, considerando que a publicação de um conteúdo sobre exigência nutricional e composição de alimentos despertaria pouco interesse no público em geral. Em seguida, um excitante capítulo foi elaborado para mostrar as principais diferenças entre as codornas de corte e de postura e também as diferenças entre elas e as galinhas e frangos no aproveitamento dos nutrientes da ração e nas exigências nutricionais, justificando a necessidade do setor dispor de recomendações nutricionais para as duas espécies de codornas. Na terceira parte do livro, são abordados temas como a qualidade e o processamento das matérias-primas para o preparo de rações, uma breve descrição dos alimentos convencionais e alternativos, composição química e resultados experimentais com codornas, além de exemplos de cálculos de rações manuais ensinando a formular rações para codornas. Finalmente, no Capítulo 4 é discutida a composição química dos ingredientes convencionais e alternativos para codornas; no Capítulo 5, as exigências e recomendações nutricionais para as duas espécies de codornas em separado; e, no Capítulo 6, são sugeridos métodos manuais para formulação e balanceamento de rações. É pretensão do autor fomentar o debate e a discussão de novas ideias sobre a criação, nutrição e alimentação de codornas, uma ave pequena e especial, por fornecer proteína de alto valor biológico aos seres humanos, há milhares de anos. Certamente, no futuro, as codornas podem desempenhar um papel estratégico na segurança e sustentabilidade alimentar de regiões quentes, secas e pobres em recursos naturais, considerando que espécies que comem e bebem menos e produzem carne e ovos de forma mais precoce serão mais competitivas como fornecedoras de alimentos nobres para saciar a fome proteica de seres humanos.

Sumário

1. Tópicos especiais na criação de codornas no Brasil
2. Bases para nutrição racional de codornas
3. Ingredientes de ração para codornas
4. Aminoácidos digestíveis nas rações de codornas
5. Exigências nutricionais de codornas
6. Formulação e fórmulas de rações para codornas

Informação adicional

Peso 0.29 kg
Dimensões 16 × 1.8 × 22 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.